quinta-feira, 14 de julho de 2011

Tiro de misericordia



Ah um mês estou de volta a São Paulo e muito feliz por isso, porém, nunca vi a cidade em situação tão lastimável a ponto de ter certeza que o bairro Higienópolis terá de mudar de nome, por que a higiene já era, nunca vi tanta merda na calçada.
O Higienópolis e descendo um pouco a Santa Cecília estão infestados de o que a sociedade chama de MORADORES DE RUA, e que eu chamo de BANDO DE DROGADOS.
Talvez algumas pessoas não concordem, digam que não tenho coração, mas mais cego é aquele que não quer ver e ignora que essas pessoas são um bando de aproveitadores, folgados e encostados que só servem para CAGAR nos cantos.
São pessoas que durante o dia ficam deitadas nas calçadas atrapalhando a passagem dos pedestres, acumulando lixo e mal cheiro. A noite, ficam perambulando ou em bandos nas calçadas usando drogas, posso vê-los da minha janela, com cachimbos acesos chegando, saindo SUJANDO principalmente.
Ah dois dias o Jornal da globo notificou que São Paulo é hoje uma das cidades mais caras de se viver, dai agente pensa: COMO ESSE POVO ESTÁ AQUI ENTÃO? Por causa de uma galera que tem um nome BONITO, que num anuncio de duas páginas então, fica mais bonito ainda INSTITUIÇÕES DE CARIDADE, os MORADORES DE RUA recebem cobertores, café, almoço e janta, até frutinha, ontem mesmo meu irmão viu uma mendiga ganhando uva na boca de outro mendigo os dois deitadinhos na calçada. Daí eu pergunto vocês acham que essas pessoas querem mudar de vida? A única coisa que eles não tem é banho, que de resto. O que essas instituições não vêem é que não estão ajudando pessoas, estão incentivando o VAGABUNDISMO delas, ou então essas instituições são beneficiadas do tráfico de drogas.
Não saio a noite sozinha, tenho medo. O cheiro e a sujeira estão insuportáveis. Tive duas ideias a passar ao governo são dois programas para mudar esse quadro, o mais aceitável leva o nome de "NÃO SE DÁ O PEIXE, SE ENSINA A PESCAR" façam um senso, pesquisem quais deles tem profissão, e ofereçam trabalho para um inicio, albergues eles já tem, mas teriam a obrigação de dormir lá até poderem se manter. Embora a mais aceitável seja essa opção, acredito também que seja a mais utópica, por isso minha segunda ideia se chama TIRO DE MISERICORDIA, o nome já diz. Até por que como muitos dizem, direitos humanos são para humanos direitos. E eu tenho o direito de não sentir medo ao andar na rua a noite e de ter calçadas limpas.