segunda-feira, 27 de junho de 2011

Dreams



Quando eu tinha 15 anos, em uma de suas maravilhosas aulas de Filosofia, o Professor Maurício nos pediu que pegássemos 3 pedaços de papel, então que no primeiro escrevêssemos o nome de uma pessoa muito importante na nossa vida:


MÃE!


Daí no segundo papel, disse para escrevermos um objeto ou algo que gostássemos muito,muito mesmo:


Cd Camino Palmero!


E que por fim,no terceiro papel, escrevêssemos um sonho:


Fazer Designe de Interiores!


Na época essas foram as minhas respostas, no decorrer da aula, o Maurício nos mandava jogar fora um dos papéis, e nisso fazíamos escolhas.Depois de desfazermos dos 3 papéis, o Maurício nos explicou qual deveria ser a ordem correta das escolhas. O primeiro a ser descartado ou a primeira coisa a se desistir é óbvio, seria o objeto preferido, pois o material independente de ordem será o que perecerá mais rápido em nossas vidas, se você fica em duvida entre " minha cama, minha mãe, minha cama, minha mãe ...ahh... TCHAL MÃE! " e desiste primeiro de uma pessoa, você tem sérios problemas psicológicos. Se a dúvida foi " meu cachorro, medicina, meu cachorro, medicina... " e desistiu do sonho primeiro, bom quer dizer que não é realmente o que você sonha, mas que se com 15 anos você ainda não sabe o que quer, está na hora de buscar algo a que se agarrar.

Porém, a segunda coisa correta a se desfazer, é de um sonho. Porque nunca se desiste de uma pessoas. Hoje eu acordei com essa aula na cabeça, pois tenho 2 papéis nas mãos e vou ter que desistir de um, eu estou em dúvida, mesmo sabendo a ordem correta das coisas, e por mais que seja óbvio, como dói desistir de um sonho, mesmo que esse tenha me causado tantos problemas e desilusões ultimamente, sei de todos os sentimentos que vou ter, e já de ante-mão como de costume, estou sofrendo. A real vontade é amassar os dois papéis e me jogar nos braços da vida e dizer FODA-SE, que tudo se faça novo, mas meu grande problema é a sensatez. A real vontade é amassar os dois papéis e ficar inerte na cama, como que num coma acordada e chorar, por tanto peso nos ombros que tenho carregado nesses últimos 5 anos, mas meu grande problema é meu orgulho. No fim percebo que tenho muito medo, medo de me arrepender, medo de nunca mais sentir o prazer do meu sonho realizado novamente, medo de ficar triste, medo de envelhecer.

E assim, me vejo hoje, dia 27 de Junho de 2011, com 2 papeis nas mãos e o mundo dentro da cabeça, com vontade de fugir pra algum canto, mas não posso. Estou de repouso!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Meu plano




Meus planos se frustram, SEMPRE, tão facilmente como piscar os olhos. A lei de Murphy vive grudada no meu calcanhar, e tudo que quero se dá ao inverso. Nunca um plano meu deu certo, ou totalmente certo (odeio parciais), nada é completo.


Agora como viver sem planejar? Seria facíl se eu acreditasse em destino, assim deixaria as coisas acontecerem por rumo do naríz, seja sentada ou de pé, deitada ou abaixada o que tivesse de ser, seria, e eu não me frustraria, não me magoaria, não iria. Eu tenho agenda, eu olho a hora, eu penso no que vou usar com 3 dias de ante cedência e por tudo isso eu sofro, sempre sofro duas vezes, a primeira por planejar e a segunda por me frustras com o plano miado. E se eu parar? E se nada mais me importar? Me comover? E se eu deixar o tempo correr como quer e quando alguém disser: Vamos fazer tal coisa eu nem ficar azul? E se quando eu tiver um show,eu não me preparar? E se quando eu conhecer alguém, eu não me apaixonar? E se eu não usar creme contra rugas? O único plano que me recordo dar certo (até agora, como diria o David Bondesan, boquinha maldita que eu tenho) é não engravidar. Também pudera, para engravidar precisa FAZER, mas meu remédio é sagrado! Uma vez, o meu querido professor já citado Maurício me disse que os planos existem para serem frustrados. POHÃN, mas todos?




Feliz aniversário Mimi Band!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Cala a boca Magda




Hoje eu fucei onde não devia, mas quer saber, agente descobre coisas. Por exemplo, agente descobre que tem gente mais retardada que agente, descobre que não somos únicos a amar alguém, e que essa pessoa pode ter tantos alguéns que você vê que ela não precisa de você, então melhor se libertar, descobre que o acaso e a situação perfeita é uma porra de momento e que acaba onde começa, não dura. Descobre que pode admirar alguém em dois palitos mas que só precisa de um para odiar, que o dia passa, tudo passa até uva passa.


Hoje eu pensai em palavras que disse um dia com significado errado, por exemplo, eu sou daquelas que critica o português; NÃO TO FAZENDO NADA! Se não está fazendo nada, logo, está fazendo alguma coisa. Daí num momento daqueles que eu citei, numa situação perfeita eu lanço: Vou rezar para que eu BASTE A VOCÊ. Pensamento ridículo meu, se eu bastar a alguém,é lógico que a pessoa irá enjoar, é lógico que como seres humanos egoístas que somos, quando algo nos basta buscamos algo novo, até mais complexo que o último por que nunca estaremos satisfeitos. Seres desprezáveis.

Daí, pensei que a frase correta seria: Vou rezar para que eu sempre lhe dê algo mais.

Preciso fechar minha boca.