quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Ontem eu mordi meu dedo


Como sabemos se uma pessoa é madura?

Como sabemos se uma pessoas depois de passar o diabo em um ano amadureceu?

Será que estamos na função de julgar a maturidade de alguém, quem sabe fazendo uma brincadeira de mal gosto pra dizer depois que era mentira e que não mudei nada, quem sabe dizendo coisas que nunca teria de coragem de dizer, fazendo até mal a mim mesma pra não ferir ninguém. Como sou capaz de me por em posição de sentir essas coisas, como sou tola em pensar que quem sabe pode ser diferente, mordi meu dedo tão forte que ficou roxo, mas é pra eu olhar pra ele e lembrar por que mordi, pensando bem eu poderia arrancar um deles, por que o roxo vai sumir...

... mas mesmo que suma, acho que não vou mais esquecer, por que tem coisas, que não se diz nem em brincadeira mesmo que você tenha apenas uma bola e seja incapaz de fertilizar um óvulo. Com meu dedo roxo, saio de uma quarentena de um ano e pouco, com meu dedo roxo desisto, com meu dedo roxo me liberto, com meu dedo roxo não vou mais me privar de algo novo, algo que possa me fazer bem, ou melhor, alguém.

Tenho evitado os seres humanos a mais de um ano, e agora chega, chega de fingir, eu não tenho nada a esconder agora é pra valer...

Quanto mais eu me privo, mais eu espero, e depois dessa, não dá mais pra esperar, por que independente de madureza, eu sei o que eu quero e vou conquistar, sem pressa, sem dúvida e sem brincadeiras ou testes, alias logo logo quem irá fazer algum teste serei eu!

sábado, 8 de janeiro de 2011

Com dor de cabeça


Tem dias que agente não deveria acordar,

poderia dormir e levantar só quando algo realmente bom fosse acontecer.

Tem dias que agente devia ter um colapso ou um côma,

por que puta que pariu, agente as vezes só faz merda.

Tem dias que agente deveria ficar longe de tudo e de todos,

por que quem procura acha, e eu de tanto procurar achei, o que não precisava achar agora já que tava tudo tão bom e animado pra mim.

As coisas agora perderam a graça, eu não tenho mais vontade de continuar com isso, tudo por que um cara me fez ver o que eu tinha conseguido tapar com a peneira.

Tem dias que eu não queria ser eu.

Tem dias que eu queria voar.

Tem dias que eu só queria o NATE FISHER.

Tem dias que eu não queria ter dor de cabeça, por que sei que amanhã ela vai virar enxaqueca.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Ignorando Deus


Já devo ter dito várias vezes nesse blog o quanto sou incrédula, o quanto perdi a fé que tinha devido a situações que EU e escolhi viver, bom, mesmo sem fé e duvidando de tudo que aprendi até hoje, Deus me mostrou de uma forma bem sutíl que não posso ignora-lo.

A 3 dias conheci uma pessoa de forma bem inusitada, posso dizer que de forma maldita. O fato é que por meio dessa pessoa, percebi que Deus ainda olha pra mim, e que tem visto tudo o que estou fazendo, estou tentando entender o motivo de isso ter acontecido, se Deus está tentando me avisar que algo ruim pode acontecer, ou se simplesmente ele quis me fazer sentir culpada.

Ontem eu percebi que algumas coisas nunca vão mudar, e que preciso ajustar certas coisas na minha vida, ontem eu percebi o quanto estou me pondo em risco desnecessário, ontem eu percebi que tem gente em pior situação que eu, com uma fé bem maior que a minha.

Depois de pouco mais de um ano, eu chorei por não estar mais lá, depois de pouco mais de um ano, eu vi em qual dia da minha vida cometi o primeiro erro, depois de pouco mais de um ano eu senti vergonha de Deus estar me vendo e eu, o ignorando.

Por melhor que possa ser o resultado agora, ainda o queria estar ignorando, ainda queria eu ser a ignorante, burra, a setentinha feliz, por que estava confortável. Por que depois de pouco mais de um ano, eu me senti feliz outra vez, mesmo que isso significasse passar raiva as vezes, agora, estou preocupada, voltei a pensar, sei que é a melhor coisa a se fazer, mais ainda não sei por onde recomeçar.